DIGNIDADE


DIGNIDADE

Cerimônia de entrega das cinzas de Miguel Nuet


Foto: Marcelo Oliveira

As cinzas de Miguel Sabat Nuet, identificado em 2008, após intervenção do Ministério Público Federal, foram entregues para seus filhos Maria Del Carmen Sabat Diaz, Lorenzo Sabat Diaz e Miguel Sabat Diaz, trazidos da Venezuela ao Brasil para receber as cinzas do pai, em uma cerimônia emocionante na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Nesta oportunidade, o Estado pediu perdão pelos atos praticados durante o regime de exceção e pelos 39 anos de dúvidas, incertezas e ausência a que a família foi submetida.

Miguel Sabat Nuet era um cidadão hispano-venezuelano. Ele foi preso em 9 de outubro de 1973 e encaminhado ao Dops. Miguel teria pulado de um trem em movimento na estação Barra Funda, em São Paulo, e deixado uma mala, o que chamou a atenção dos policiais. Em certidão/ficha elaborada à época em que ainda estava preso (27/11/1973) foi declarado por agentes do Dops como: “elemento com anomalia cerebral, pseudo filósofo, nada tendo de subversivo”. Entretanto, foi mantido preso e, em 01 de dezembro de 1973, foi encontrado morto em uma cela do Dops. A versão oficial foi de que teria ocorrido “suicídio”.