MAJOR URUGUAIO EXTRADITADO


MAJOR URUGUAIO EXTRADITADO

Adalberto Soba - desaparecido durante o regime militar argentino


O Supremo Tribunal Federal, por maioria, autorizou o governo brasileiro a extraditar o major uruguaio Manuel Juan Cordero Piacentini para a Argentina. O militar é acusado de ter participado da Operação Condor, uma cooperação militar entre países do cone sul para a eliminação de adversários políticos.

Ele é acusado tanto pelo Uruguai, como pela Argentina, de ter participado da operação que resultou no sequestro de Adalberto Soba (foto), em setembro de 1976, do filho da vítima de 10 anos e de outros familiares, entre outros crimes. Soba é até hoje um dos milhares de desaparecidos na ditadura portenha. A extradição de Piacentini foi pedida pelos dois países, mas o STF julgou que o réu deveria ser enviado para a Argentina, local do crime.

A extradição teve parecer favorável, emitido em 21 de fevereiro de 2008, pelo procurador-geral da República Antonio Fernando Souza. Para o então PGR, o sequestro é um "crime permanente tanto no Brasil como na Argentina", cuja prescrição só começa após a interrupção da ação do agente. "A despeito do tempo decorrido, não se pode afirmar que estejam mortas porque seus corpos jamais foram encontrados, de modo que ainda subsiste a ação perpetrada pelo extraditando", afirmou no parecer.

Denunciados/demandados: Manuel Juan Cordero Piacentini

Força dos Réus: Exército Uruguaio

Vítimas: Adalberto Valdemar Soba Fernandes e outros

Veja o documento de EXTRADIÇÃO Nº 974-5