MÉDICO RESPONDERÁ POR TORTURA


MÉDICO RESPONDERÁ POR TORTURA

Doi-Codi RJ, local onde ocorreu o crime


Foto: Tânia Rego / Agência Brasil

A 8ª Vara Criminal Federal do Rio de Janeiro aceitou a denúncia oferecida pelo MPF e tornou réu o médico e general reformado do Exército Ricardo Agnese Fayad, pelo crime de lesão corporal grave, em razão das torturas praticadas contra o dissidente político Espedito de Freitas, nas dependências do Destacamento de Operações e Informações (DOI) do I Exército, em novembro de 1970. O crime de tortura não existia na época dos fatos, por isso o réu responde por lesão corporal dolosa grave (agressão).

Na decisão, a juíza federal Valéria Caldi Magalhães afirmou que os fatos não prescreveram porque configuram crime contra a humanidade. “A primeira vista a prescrição estaria consumada. Entretanto, esta conclusão não se apresenta correta. Segundo a Corte Interamericana de Direitos Humanos, a prescrição não ocorreu e nenhuma alegação neste sentido ou similar pode impedir a apuração do crime de que é acusado Ricardo Agnese Fayad, dado que ele configura, em tese, um crime de lesa-humanidade”, escreveu a magistrada.

Desde os anos 90, Fayad é apontado como partícipe em torturas ocorridas no Rio de Janeiro e chegou a ter seu registro profissional cassado.

Denunciado: Ricardo Agnese Fayad

Instituição envolvida: Exército Brasileiro

Vítima: Espedito de Freitas

Crime: Lesão corporal grave (o crime de tortura não era tipificado na época dos fatos)

Ação penal nº 0014922-47.2018.4.02.5101

Veja a íntegra da decisão judicial

Principais ações




...
23/04/2012
SEGUNDA DENÚNCIA

...
10/07/2012
TERCEIRA DENÚNCIA

...
29/08/2012
PRIMEIROS RÉUS



...
13/05/2013
CASO MÁRIO ALVES



...
19/05/2014
CASO RUBENS PAIVA










...
03/02/2016
FREI TORTURADO

...
04/02/2016
LÍDER CAMPONÊS

...
29/03/2016
LEGISTA DENUNCIADO

...
07/06/2016
LAUDO FALSIFICADO





...
26/09/2016
CHACINA DA LAPA


...
24/04/2017
LIVRO-RELATÓRIO

...
06/10/2017
SEQUESTRO EM SP



...
11/02/2018
MÉDICO TORTURAVA




...