UNICAMP INCLUI JUSTIÇA DE TRANSIÇÃO NA PÓS-GRADUAÇÃO


UNICAMP INCLUI JUSTIÇA DE TRANSIÇÃO NA PÓS-GRADUAÇÃO

Placa em homenagem aos membros da comunidade acadêmica da Unicamp vítimas da repressão da ditadura militar.


Foto: arquivo MPF

Após acordo com a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão em São Paulo, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) passou a incluir temas relacionados à Justiça de Transição em suas linhas de pesquisa de pós-gradução em Ciência Política, Sociologia e Antropologia e também no programa de doutorado em Ambiente e Sociedade. O acordo foi estabelecido na Central de Conciliação do Tribunal Regional Federal da 3ª Região no curso da ação civil pública (ACP) movida pelo MPF contra a União e outros pela demora excessiva nas identificações dos restos mortais de desaparecidos encontrados em uma vala clandestina no cemitério de Perus, em São Paulo, nos anos 90. Também faz parte do acordo a manutenção de uma placa nas proximidades da Reitoria da Universidade, resultante do trabalho da Comissão da Verdade e Memória da Unicamp, que homenageia “homens e mulheres da comunidade acadêmica que, sofreram violências físicas e morais durante o longo período da ditadura militar”.